Entenda a ação dos materiais da harmonização facial

farmacologia na harmonização facial hof orofacial

Se você quer ingressar no mundo da HOF, então precisa saber qual é a ação dos materiais da harmonização facial. Cada produto tem uma ação diferente, que ocorrem de formas diferentes. Para oferecer um procedimento com qualidade, que atenda às expectativas dos pacientes, portanto, precisa ter esse conhecimento.

E é isso o que a farmacologia estuda, como os medicamentos interagem com o organismo. Essa é uma área que você tem que se aprofundar, para saber escolher e dosar corretamente os fármacos. Esse conhecimento também é fundamental para reduzir as intercorrências e amenizar reações adversas.

De acordo com o artigo “Entendendo a Farmacologia: Conceitos Básicos”, da Revista UNILUS, a farmacologia é:

A ciência que estuda os efeitos de uma substância química sobre a função dos sistemas biológicos, fundamentalmente dependente da interação droga-organismo.

Entretanto ao falar de fármacos, não nos referimos apenas aos medicamentos, mas também dos próprios produtos que se utilizam nos procedimentos. E é sobre a ação desses materiais da harmonização facial que vamos falar aqui no artigo.

Boa leitura!

Anestesia para procedimentos de HOF

Antes de começarmos a falar sobre os produtos, vamos falar sobre um fármaco que muitos profissionais de HOF não se sentem completamente seguros em administrar: a anestesia.

A anestesia pode ser local ou geral, mas para os procedimentos de HOF, não há necessidade em utilizar a geral, apenas a local.

De acordo com um artigo da Sociedade Brasileira de Anestesiologia, a ação dos anestésicos locais acontece na membrana celular neuronal com o bloqueio dos canais de sódio que são responsáveis pela função da dor.

Mas a anestesia injetável não é a única opção para utilizar nos procedimentos. Também há a anestesia tópica para a pele e a mucosa, em forma de creme ou pomada. Muitos profissionais passaram a utilizá-la antes das anestesias infiltrativas, para diminuir a dor da punção da agulha.

Para proporcionar conforto máximo ao seu paciente, há a opção de utilizar anestesias terminais infiltrativas. Elas podem ser intra-orais (somente para cirurgiões-dentistas) ou extra-orais (para cirurgiões-dentistas, cirurgiões plásticos e dermatologistas), com técnicas infraorbitarias, supretroclear ou mentoniana.

Além dos anestésicos tópicos, também é possível utilizar técnicas de analgesia, como o gelo ou o vibrador facial. De acordo com o Profº Dr. Alcides Moreira, também é possível utilizar analgésicos e anti-inflamatórios para controlar a dor do paciente.

Como funcionam os principais materiais da harmonização facial?

Há vários produtos no mercado, que podem ser temporários ou permanentes. Mas vamos focar apenas em 3:

Procedimentos com Toxina Botulínica

Como você provavelmente já sabe, esse produto foi criado a partir de uma proteína da bactéria Clostridium botulinum. A Toxina Botulínica tipo A é a mais utilizada, por causa da sua potência, especificidade e durabilidade, contudo há 7 sorotipos, de A a G.

Esse produto não oferece riscos ao paciente se o profissional armazená-lo e aplicá-lo de forma e quantidade corretas.

Isso porque, além de ser produzido e purificado em laboratório, não age no Sistema Nervoso Central, e sim na placa motora. Ele impede a transmissão do estímulo neuromuscular, inibindo a liberação do neurotransmissor acetilcolina, pela clivagem de SNAP’s-25.

A Toxina Botulínica não promove efeito permanente, porque novos receptores se formam fisiologicamente, ou seja, aquele bloqueio deixa de existir. Dessa forma, as fibras musculares voltam ao seu padrão natural de contração muscular.

Uma das principais contraindicações desse produto é sobre pacientes alérgicos à albumina. Essa proteína está presente na composição de algumas marcas da neurotoxina. Cabe a você decidir se deve ajustar a dose das aplicações ou utilizar uma marca que não tenha albumina em sua fórmula.

Se você quer conhecer as principais marcas da Toxina Botulínica, clique aqui.

Preenchimentos faciais com AH

O Ácido Hialurônico (AH) é uma molécula de açúcar, uma substância que nosso próprio organismo produz, por isso tem alta biocompatibilidade. Ela atua na lubrificação das articulações, auxilia na retenção de água da pele, entre outras funções.

O AH é capaz de fazer isso porque se formam matrizes que se aglutinam e absorvam moléculas de água na pele e na cartilagem. Mas sua produção diminui conforme o envelhecimento avança, o que faz com que algumas estruturas percam sustentação, volume e hidratação.

Para devolver a qualidade dérmica, os profissionais de HOF utilizam o material sintético, que vem da fermentação, em laboratório, de substratos vegetais de bactérias do tipo Streptococcus.

É possível aplicar Ácido Hialurônico em qualquer local do rosto, mas algumas regiões do rosto são altamente vascularizadas, que às vezes acompanham de uma coeficiência de expansão baixa.

Isso significa que se o profissional aplicar o produto no local errado, pode causar uma obstrução vascular, ou comprimir algum vaso. Para corrigir essa intercorrência é necessário aplicar a Hialuronidase, que quebras as moléculas de AH rapidamente.

O corpo absorve a enzima naturalmente e a expele posteriormente pelos rins. Para saber mais sobre a Hialuronidase, clique aqui.

Fios de sustentação

Dentre os fios de sustentação, os fios de PDO Miracu são os mais utilizados. É um polímero sintético biocompatível, que tem como base o Ácido Polilático. Ele promove o efeito lifting imediato, por causa da tração mecânica dos encaixes fixadores do fio no tecido conjuntivo.

Esse material é absorvido pelo corpo em até 18 meses, que ocorre por meio da hidrólise. Durante esse processo, atua na neoformação de fibras de colágeno tipo 1, da elastina e dos fibroblastos. Por consequência, estimula a cicatrização dos tecidos.

Por isso outros efeitos podem ser percebidos, como a melhoria da palidez, viço, elasticidade, firmeza e textura. Após a absorção completa dos fios de PDO, o material se decompõe em água e gás carbônico. Eles oferecem baixo risco ao paciente, com poucas chances de causar reações adversas.

Como fazer bom uso dos materiais da harmonização facial?

Além de aprofundar seus conhecimentos sobre farmacologia, você deve fazer uma anamnese completa do seu paciente, para saber quais produtos você pode utilizar nos procedimentos.

Outra coisa que vai te ajudar é realizar uma análise facial digital. Assim terá mais precisão na marcação de pontos e conseguirá dosar e aplicar o produto corretamente nos locais marcados.

E esses são apenas alguns recursos do SHOF, o Sistema de Harmonização Orofacial que todo profissional de HOF precisa! É um assistente virtual que atua em todas as etapas dos tratamentos, desde o primeiro atendimento até o envio das orientações pós-procedimento.

Com ele, você conseguirá otimizar o tratamento, com ferramentas práticas e digitais que facilitam o dia a dia do profissional de harmonização.

Quer saber mais sobre ele? Clique aqui.

SHOF
Autora

© SHOF - Todos os Direitos Reservados.

Contatos